Estamos remodelando nosso espaço.
Os assuntos postados anteriormente continuam nos links ao lado "Diversos e Cultura Geral"

Estamos separando por Categorias onde os assuntos ficam agrupados, facilitando para o leitor e organização.

- DESDE O MÊS DE MARÇO SOMOS MIX - Confira

14/07/2011

Novo CD - Martim César


Canções que registram as imagens desse povo que ainda vive nos fundos de corredor, ou nos ranchos de beira de estrada. Tropeiros, alambradores, posteiros, esquiladores, bolicheiros, peões de estância, domadores. Personagens reais que o tempo insiste em apagar, mas não consegue. Basta um domingo de carreiras e lá estão eles. Nas margens das canchas retas, improvisando um jogo de tava e soltando seus versos onde a balaca de cada paisano é pura poesia pampeana. 'Não é só butiá que dá em cacho', 'Água que se queima o rancho' e por aí afora. E – de repente – já está na hora de mais uma penca... ainda hoje posso divisar nos caminhos da memória um Dom Segundo (já no fim da vida) mal e mal se segurando em riba do seu pingo e apostando os pilas, que trazia dobrados na guaiaca, com um 'gaucho' chamado Torquato Flores, mui conhecido por pajador e calavera. O coimeiro, finalmente dá por terminadas as apostas. O tempo parece que para nesse momento... os parelheiros aparecem no partidor... e – como acontece há mais de dois séculos nessas lonjuras da fronteira – ouve-se a frase famosa, que parece haver nascido com o primeiro campeiro, mescla de índio, negro e branco, que povoou estas bandas: 'Já se vieram!'.
Já se vieram!
Melodias e interpretação: Marco Aurélio Vasconcellos
Letras: Martim César Gonçalves
Arranjos: Marcello Caminha
Lançamento oficial: dia 27 de julho, teatro Bruno Kieffer, Casa de Cultura Mario Quintana – Porto Alegre – RS – 20:00

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Grande Hotel/Participe:

Grande Hotel/Participe:
Divulgue participe!